sábado, 19 de outubro de 2013

Vambora ESPECIAL NOVA ZELÂNDIA




Longe de tudo, do outro lado do mundo, a Nova Zelândia vale cada segundo da longa, longuíssima viagem de avião. Dividido em duas grandes ilhas principais, o país reúne uma quantidade de paisagens e atrações impressionantes para o seu tamanho compacto.

    Vambora de hj -ROTORUA


Rotorua, no centro da Ilha Norte da Nova Zelândia, no distrito de Bay of Plenty, é bastante conhecida por seus parques e atrações geotermais. Entre os mais conhecidos estão os parque Te Puia, Waimangu Volcanic Village e Waiotapu, todos com tours organizados disponíveis e boa sinalização. A intensa atividade de seus gêiseres e piscinas de água quente atraem milhares de turistas para a região, mas elas não são a única atração por aqui. Pesca, rafting, mountain biking, jetboats, trekkings e canoagem são outras opções bem bacanas na área, repleta de belos lagos, bosques e infraestrutura bem montada para camping e trailers.

Champagne Pool Wai-o-tapu Rotorua Nova ZelândiaParque termal Waiotapu, em Rotorua

Berço do povo maori Te Arawa, Rotorua possui também atrações culturais como performances de dança, banquetes com comidas tradicionais e a vila Ohinemutu para se aprofundar um pouco mais nos costumes nativos. Uma turma um tanto mais diferente (e menores) também tem atraído pessoas para cá. Hobbiton, a cidade-cenário utilizada como locação da trilogia Senhor dos Anéis. Não fica muito perto (são 72 km de distância), mas há operadoras que organizam o tour.O teleférico (NZ$ 18 ida/ volta) sobe o Mt. Ngongotaha.
No inverno, a pedida é explorar as pistas de snowboard e esqui do Monte Ruapehu, 180 km ao sul. E, como não podia deixar de ser, a região de Rotorua, deitada sobre um sítio entremeado de fontes termais, possui dezenas de hotéis e spas que possuem tratamentos de beleza e relaxamento diversos.
Geiser pohotu, em Rotorua


FATOS IMPORTANTES :




O Centro de Rotorua é bonito e limpo, muito fácil de se locomover, em formato retangular. Tem bastante, comércio, restaurantes, boates, pub e agito. Ao redor, fica a parte residencial, e na saída para Auckland, a parte industrial. A infra- estrutura é completa, com tudo que o turista possa precisar. Tem construções interessantes, como a da foto, onde funciona o centro de informações turísticas de Rotorua. De lá partem muitos tours, além de ônibus de turismo e interestaduais. Hospedagem em Rotorua não é problema com muitos Hotéis, Motéis, Albergues, Bed & Breakfast e Camping/Caravan Parks. Os preços são um pouco mais caros que em outras cidades, exceto Wellington, Queenstown e Auckland, mas na baixa temporada, a saudável prática de barganhar dá excelentes resultados. Na parte de comida, é possível comer bem por preços razoáveis, só cuidado com refrigerantes e bebidas nos restaurantes, que chegam a alcançar altas atmosferas, tal qual gases de enxofre. A cidade acorda tarde e dorme cedo, e portanto não deixe para jantar às 10 da noite, senão corre o risco de não encontrar nada aberto, além de alma viva nas ruas (exceto alguns sonâmbulos e a galera da night). O centro da cidade em si, não tem muitos atrativos, mas a quantidade de tours e aventuras que tem para fazer nos arredores vão além da conta.


O lago Rotorua é grande e cristalino, e é um dos pontos de referência dentro da cidade. O lago em si é na verdade uma caldeira vulcânica, que anda adormecida há milênios e tapada com uma rôlha ou uma ilha se preferir (foto). De qualquer forma. está longe de ser um vulcão extinto. Em suas margens, um parque arborizado é um dos cartões de visita da cidade, e igualmente um ponto de referência. É de lá que saem inúmeros passeios de barco para várias partes do lago, desde contemplativos em barcos antigos com propulsão a roda com pás de madeira, até Jet Boats velozes, que fazem muitas peripécias com boa dose de Adrenalina. Tem também barcos exclusivos para Pescaria de Truta, que valem tanto pela diversão, quanto pela vista que se tem da cidade à partir do lago. Tem até mesmo Hidro-Avião, para você respirar o ar puro das alturas, e ter aquele visual de águia da cidade e dos vulcões nas imediações. Patos, gansos e outros decorativos de lagos disputam o pão de cada dia que os alegres turistas jogam para eles, e basta chegar na beira da margem que a patalhada vem num alegre quá, quá, quá, ao seu encontro. A briga é feia na disputa pela iguaria, mas ao final, todos ficam de papo cheio, pois o lago recebe mais turistas do que a população de penosos e afins.


O constante cheiro de pum de ovo, na verdade são emanações de dióxido de carbono, dióxido de enxofre, pequenas quantidades de cloro e flúor, além creio eu, de nitrato de pó de peido emanado pelo Luizão. Rotorua tem uma infinidade de pontos com atividades vaporzeiras, corretamente chamadas de Termais e que se estendem até aonde o olfato e os olhos podem alcançar. O alegre turista irá se deparar com muitas dessas fendas emitindo vapor em plena rua sem a menor inibição. Na Ranolf Street, o Kuirau Park é cheio delas, tais como lagos de água fervente, poços de lama borbulhante, e buracos no chão donde saem aromáticos vapores. Ainda por cima existem banheironas públicas tipo spa, donde o cansado turista e seu super nariz, poderão relaxar (di grátis). De manhã cedo e na beira do lago, no fim da Amohau Street (ao lado do Polinesian Spa), está um dos visuais mais bonitos, onde a água quente que é despejada no lago, faz uma cortina de vapor por sobre o dito. Com os primeiros raios de sol, grande parte do lago parece em ebulição, e é realmente espetacular de se ver (foto no fim da página)

COMO CHEGAR
O aeroporto de Rotorua (ROT, www.rotorua-airport.co.nz), 11 km a nordeste do Centro, às margens do Lago Rotorua, é servido por voos vindos de Auckland, Wellington, Christchurch, Queenstown e Sydney, na Austrália, todos com a Air New Zealand. Do terminal para os hotéis é possível pegar táxi, van, alugar carro ou ônibus público.
Para chegar de carro à cidade a partir de Auckland a via mais comum é a rodovia interestadual 27 (237 km de distância). Há ônibus das companhias Intercity (www.intercity.co.nz) e Naked Bus (www.nakedbus.com) para Auckland (4 horas, desde $ 25) e Wellington (8h30, desde $ 32), entre outros destinos.
MauOscar na Nova Zelandia
 
6-1
 
 
Informações ao viajante
  • Inglês
  • Dólar da Nova Zelândia
  • 000-955
  • Não é necessário.
  • Para entrar na Nova Zelândia, nenhuma vacina é obrigatória.
  • SHIS, Qd. 9, conj. 16, casa 1, Brasília (DF)
    (61) 3248-9900
     
    Melhor época para visitar: A boa atividades na região o ano inteiro, do esqui no inverno a atividades aquáticas no Lago Rotorua no verão.
    O lindo lago Rotorua e seus vapores ''cheirosos'' ao nascer do sol.
     
     

Nenhum comentário:

Postar um comentário